• Seva Corps

SER E SERVIR NA AMÉRICA LATINA: A PRÁTICA DO SERVIR COMO CAMINHO PARA O SER

Atualizado: 6 de dez. de 2021





Como nos apropriamos das práticas de Seva na América Latina?


O Seva Corps nasceu em tempos de pandemia para servir àqueles que servem e para criar uma rede de conexões entre pessoas e projetos de Seva ou serviço voluntário. Desde o início, em março de 2020, nosso trabalho nos levou a nos perguntarmos o que se entende por Seva na América Latina e o que a caracteriza.


A partir do contato direto com vários projetos de Seva, principalmente na região latino americana, e em relação aos ensinamentos da Kundalini Yoga, realizamos um mapeamento e pesquisa em treze países da região. Abaixo uma nuvem de palavras composta a partir das respostas à pergunta: se você pudesse definir Seva em apenas duas palavras, quais seriam elas?

Nuvem de palavras (com palavras como amor, entrega, bênção, compromisso, dar, oferta, etc.) criada com respostas à pergunta: Se você pudesse definir Seva em apenas duas palavras, quais seriam elas? Estudo de mapeamento realizado em 2020 pelo Seva Corps, com 26 líderes de comunidades de Kundalini Yoga em 13 países da América Latina (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Haiti, Panamá, Paraguai, Peru, México e Uruguai).
Nuvem de palavras a partir de mapeamento realizado na América Latina. 2020

Temos notado que apesar das profundas transformações sociais em vigor, dos contextos variáveis entre os países e independentemente da categoria do serviço que é prestado, na América Latina o serviço faz parte de nós. O serviço é parte de nossa cultura e isso é algo que temos em comum. Este entendimento nos inspira a continuar nossa missão de conectar pessoas e projetos e compartilhar nossas descobertas sobre quais são os pilares que identificamos que parecem definir Seva em nossos países?



Pilares que identificam as práticas de Seva no contexto latino-americano


1. Devoção

Um homem (Krishan Shiva Singh) abraça uma criança do Hogar de las Bienaventuranzas.Lima/Peru.
Imagem gentilmente cedida por Krishan Shiva Singh

Os sevadars latino americanos caracterizam-se por uma devoção à busca de justiça e um sentimento de gratidão pelos privilégios e oportunidades que lhes são oferecidos. Imersos em realidades muito adversas, aqueles que têm boas condições de vida procuram retribuir e de alguma forma compartilhar o que têm.


Nesta perspectiva, Seva é a forma pela qual é possível

agradecer à vida, ao Universo.




2. Empatia

À noite, uma mulher agachada entrega comida a um desabrigado na cidade de Santiago, Chile, em um dos dias de distribuição de alimentos de Langar Chile.
Imagem Langar Chile/ Gentilmente cedida por Guru Darshan Singh

O sofrimento causado pela falta de recursos, consequência histórica e das constantes crises econômicas e climáticas na região, gera uma crescente desigualdade social, em face da qual a ausência de ação governamental é evidente. Por isso a maior parte da população latino americana se encontra vivendo em condições que denotam necessidades básicas não atendidas, sem uma solução a longo prazo à vista.


Esta experiência levanta questões:


Se não ajudarmos e o governo não ajudar, então quem o fará?


Este contexto de tragédia e escassez criou um ambiente favorável à empatia e à solidariedade na América Latina. É por isso que há uma forte presença de ações de serviço voluntário que têm sido sustentadas por mobilizações coletivas ao longo do tempo.


Nesta perspectiva, servimos a partir de um chamado da alma, pois reconhecemos o sofrimento dos outros como nosso próprio sofrimento.



3. Alegria de compartilhar

Três mulheres com máscaras, (incluindo a diretora da Fundação Social Amar Das Abhaidev Kaur Khalsa), sorriem e olham para a câmera após um dos dias de distribuição de alimentos da Fundação. Chile
Imagem Fundação Social Amar Das/ Gentilmente cedida por Abhaidev Kaur Khalsa

Em nossos países há uma alegria em compartilhar o que se tem, uma característica que provavelmente deriva da cultura ancestral do Bem Viver. A que se refere esta prática?


Os povos originários (Quechua e Aymara), que viveram durante séculos nos Andes, tinham em comum uma visão do mundo na qual tudo estava conectado. De acordo com esta visão, a Cordilheira, por exemplo, é uma cadeia de montanhas viva e nossa região é o coração da Terra.


Bem Viver é uma forma de habitar o planeta onde todas as relações, incluindo a que temos com a Natureza, são harmoniosas e cooperativas. Somos todos parentes enquanto natureza. Em essência, nossas vidas são guiadas pela observação, o vínculo e as características da Mãe Terra: ela é abundante e o que existe é suficiente para todos. Nesse sentido, é possível dar e receber de forma desinteressada, sem medo de perder ou não ser retribuído.


É por isso que o apoio mútuo e a comunidade são elementos fundamentais em todos os contextos do serviço latino-americano. Servimos "com as mãos cheias", sempre pensando no coletivo e, por esta razão, nosso serviço é alegre. Reconhecemos que juntos somos mais fortes e vamos mais longe:


Servir é uma celebração, é parte do fluxo natural da vida, onde tudo está conectado e serve, constantemente.



Uma mulher de costas voltadas (Abhaidev Kaur Khalsa, diretora da Fundação Amar Das Social) entrega um presente a uma mulher enquanto os outros olham, durante um dos dias de distribuição de alimentos da Fundação Amar Das Social e celebrações de datas especiais com comunidades vulneráveis no Chile.
Imagem Fundação Social Amar Das/ Gentilmente cedida por Abhaidev Kaur Khalsa

Compartilhamos com vocês estas descobertas inspiradoras como uma forma de reafirmar amorosamente os valores e pilares que nos identificam como latino americanos.


Você reconhece algum desses valores como sendo seu?


Como é entendida a prática da Seva em sua cultura?







31 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

BASTA!